Horário de verão deve gerar economia de 5% na conta de energia
Em 4 meses, Minas poupará o suficiente para abastecer BH por dez dias.
Cemig dá orientações para economizar ainda mais neste período.


O horário de verão, que começa à zero hora do próximo domingo (21), deve gerar uma economia mensal de pelo menos 5% no consumo de energia elétrica nas residências de Montes Claros, no Norte de Minas Gerais. Em todo o estado, até o dia 17 de fevereiro de 2013, a economia pode chegar a 88.000 MWh, quantidade suficiente para abastecer a cidade de Belo Horizonte por 10 dias, segundo a Cemig.

De acordo com o engenheiro de comercialização de energia da Cemig, Fabiano Mendoça, além da economia na conta de energia do consumidor, o horário de verão ainda otimiza a iluminação, pois alivia o sistema de operação da companhia. "No horário de pico (19h), nessa época do ano, há um consumo muito alto de energia. Com essa medida, o sistema não chega em sua carga máxima e opera com mais eficiência".
A Cemig informa que esta é a 42ª edição do horário de verão que, desde 2008, acontece no mesmo período. A medida é adotada em cerca 84 países. No Brasil, em 2011, foram economizados R$ 130 milhões. A estimativa deste ano é poupar R$280 milhoões, conforme estima o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). 


Fonte: http://g1.globo.com


Horário de verão exige cuidados com a saúde

O horário de verão começou ontem (21), quando os moradores das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, mais o estado do Tocantins, adiantaram seus relógios em uma hora. A mudança é para aproveitar melhor a luminosidade do dia nesta época do ano, reduzindo o consumo de energia nos horários de pico e evitando o uso de energia gerada por termelétricas, que é mais cara e mais poluente do que a gerada pelas hidrelétricas.

Se não houver adaptações para a mudança de horário, algumas pessoas podem apresentar cansaço, fadiga e até mesmo chegar à exaustão, de acordo com o fisiologista Hildeamo Bonifácio. “Nesse quadro de exaustão, a pessoa mostra sinais parecidos com doenças, como irritabilidade, dor de cabeça, diarreia e mudanças de humor”.

Bonifácio recomenda que, na primeira semana de mudança de horário, as pessoas aumentem a ingestão de líquido e façam refeições leves. Também deve ser mantido o horário das refeições, para o cérebro se adaptar o mais rápido possível com a mudança. “Se a pessoa está acostumada a tomar café às 7h, agora vai ter que tomar no mesmo horário, mesmo que ainda não tenha tanta fome”.

A mesma tática deve ser adotada com o sono. Quem está acostumado a dormir às 22h, por exemplo, deve manter o horário, mesmo que ainda não tenha sono. “Se essas orientações não forem seguidas, é como se a pessoa estivesse em uma semana de carnaval: vai dormir tarde, acorda tarde, aí muda todo o relógio biológico”, diz o fisiologista.

Pelas dificuldades de adaptação do organismo, a mudança de horário está longe de ser uma unanimidade entre a população. O eletricista Raimundo Carlos Costa, de 56 anos, critica a medida. "Não gosto do horário de verão, pois me forço a acordar mais cedo. Tenho problema de saúde e o horário afeta toda minha rotina. A adaptação é complicada, quem é mais velho precisa tomar mais cuidados”, diz. Ele também cita o problema da insegurança para quem precisa sair de casa muito cedo para trabalhar quando ainda está escuro.

O estudante Paulo Henrique Ferreira, de 18 anos, também não aprova a medida, apesar de achar que o dia é melhor aproveitado. "Eu não gosto muito do horário de verão, principalmente no primeiro mês. Acordo mais cedo, muitas vezes ainda está escuro”.

Apesar de sentir dificuldades de adaptações nas primeiras semanas, a promotora de eventos Mayana dos Santos, de 20 anos, gosta da mudança, porque acha que o dia rende mais. “Particularmente, não me atrapalha muito”. A aposentada Madalena Jordão, de 65 anos, também acha que os dias parecem maiores com o horário de verão. Ela mora no Nordeste, onde a mudança não é implementada, mas acredita que existe economia de energia com a medida.

A expectativa do governo é que o horário de verão deste ano evite um gasto de R$ 280 milhões com o acionamento de usinas térmicas, que seria necessário para suprir a demanda no horário de pico. Se fosse preciso construir novas termelétricas para garantir essa energia, o país gastaria R$ 3 bilhões, se não houvesse o horário de verão. A redução da demanda de energia no horário de pico neste ano deve ser cerca de 4,5%, e a redução total de consumo deverá ser 0,5%.

De acordo com o secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, Ildo Grüdtner, a mudança de horário proporciona um ganho considerável para a segurança do sistema elétrico brasileiro. “Menor demanda implica maior segurança para o sistema, que não fica tão 'estressado'. Há também maior flexibilidade operativa para liberar instalações para manutenção e redução da geração de energia térmica para atender a esse consumo”.

Fonte: http://www.canalrioclaro.com.br/noticia/12534/horario-de-verao-exige-cuidados-com-a-saude.html